Retalhos de uma Manta Inacabada

Sou uma manta, cuidadosamente, tecida com os mais puros retalhos de seda selvagem e burel, cujas cores o tempo se encarregou de avivar ou desmaiar. Nela vão resistindo pequenos retalhos do bibe de xadrez com que brincava no jardim encantado do sonho. Num dos lados, repousam enormes retalhos de todos aqueles que já partiram, mas que conservarei para sempre no meu coração. No outro lado, estão todos aqueles que ainda posso tocar e amar.

Nome:
Localização: Aveiro, Portugal

Eternamente crisálida...

quinta-feira, junho 15, 2006

Silêncios amarelos da flor do tojo


Se as palavras são como um cristal, os silêncios são como um punhal...

E é esse punhal que eu seguro, cintilante e mortal, no meio das noites longas e agrestes de solidão à beira de um castelo de sonhos, fragilmente, erigido numa colina feita de recordações de um passado tão próximo que quase alcanço com a ponta frágil dos meus dedos.

É na base desse castelo que eu contemplo as noites de outrora…húmidas da maresia de um mar selvagem, mas adocicadas pela força das palavras... jorrando pela fonte de um prazer que inundava todo o ser que habitava dentro de mim…

Noites mágicas…iluminadas pela luz clara de uma lua invernosa, mas cintilante num céu azul salpicado pelas estrelas de um contentamento tão doce como a seiva que brota do pólen das rosas brancas do jardim do Éden.

Agora, neste silêncio da noite sepulcral, recosto-me neste sofá ensurdecido e escuto a recordação de momentos de um prazer timidamente sentido… do toque silencioso da pele… das palavras levemente sussurradas… do silêncio atroz das palavras não ditas, presas na concha espiralada do desejo.

E essas rosas brancas dispostas num açafate de mimos, conservam ainda o toque das mãos que, delicadamente, as dispôs no meio de um silêncio cheio de vida… porque era o azul do céu plasmado no azul da água de um mar imenso.

Quero deixar este casulo amarelo da flor do tojo silvestre e refugiar-me no meio das pétalas brancas das rosas de outrora, para poder sentir o calor das palavras… mimos da tua perfeição…

Maria Rosmaninho
Wise up – Aimee MannCastpost

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Rosmaninho

Por vezes encontro textos bonitos e apetece-me coloca-los aqui.
Esta é uma definição de "solidão" feita por Chico Buarque:

"Solidão não é a falta de gente para conversar, namorar, passear ou fazer
sexo...
Isto é carência!

Solidão não é o sentimento que experimentamos pela ausência de entes
Queridos que não podem mais voltar...
Isto é saudade!

Solidão não é o retiro voluntário que a gente se impõe, às vezes para
Realinhar os pensamentos... Isto é equilíbrio!

Solidão não é o claustro involuntário que o destino nos impõe
compulsoriamente...
Isto é um princípio da natureza!

Solidão não é o vazio de gente ao nosso lado... Isto é circunstância!

Solidão é muito mais do que isto...


SOLIDÃO " é quando nos perdemos de nós mesmos e procuramos em vão pela
Nossa alma."

_________________________________
Beijinhos
Cloe

30 junho, 2006 18:54  
Anonymous Anónimo said...

Looking for information and found it at this great site...
» »

25 janeiro, 2007 22:34  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

http://paginas.terra.com.br/informatica/tpb/Utilitarios/util.htm n deixar copiar textos